11 de jul de 2007

HABITAÇÃO NA PRÉ-HISTÓRIA

Do Paleolítico até o final do Neolítico...

Abrigos naturais
É concorde entre os estudiosos que as primeiras construções conhecidas do homem primitivo não eram destinadas à habitação, mas como templos ou câmaras mortuárias, isso no fim do final do Neolítico... Então onde e como habitava o homem primitivo? Através de vestígios como fósseis, artefatos e pinturas encontrados em cavernas, acredita-se que tenha sido nelas, uma HABITAÇÃO APROPRIADA. Mas e quando não havia cavernas? Sim, porque nem todo sitio geológico tem as características necessárias para a formação delas... Este homem poderia por exemplo gerar uma HABITAÇÃO ESCAVADA, antropomorfizando um bloco de solo, para gerar sua casca protetora. Ainda hoje grupos humanos conservam o hábito de escavarem rochas e solos para habitar.

Fig.1 Fig.2

Fig.1: Casa “troglodita”, Matmata, Turquia - Fonte:http://www.rotas.xl.pt/1003/a04-00-00.shtml

Fig.2: Galho em forquilha - Fonte: http://sleekfreak.ath.cx:81/3wdev/VITAHTML/SUBLEV/GIF/HCAX70B.GIF

Abrigos artificiais
A criação de tendas e outras construções simples está ligada ao fato de que os abrigos naturais eram fixos, às vezes mal situados e úmidos, circunstâncias negativas para um coletor ou caçador sempre em movimento. A diferença entre esse abrigo e o anteriormente citado aqui é a introdução de elementos estruturais como pilares em “forquilha” e barrotes em viga. No caso de construções semi-subterrâneas, a viga recebe fechamento em gravetos e é revestido com solo ou palha. Essas construções temporárias permitiam que o homem pudesse reconstruí-las sempre que necessário, quando houvesse matéria-prima. Os iglus são um bom exemplo desse tipo de abrigo. Os abrigos artificiais pela sua aparência, uma espécie de caverna recriada.

Fig.3

Fig.3: Casa subterrânea - Fonte: Ching, F.D.K., Dicionário visual de arquitetura, Martins Fontes-SP, 2003
Em qualquer uma dessas habitações, que começam a surgir desde o Paleolítico Superior, o seu aspecto formal está intimamente ligado à natureza, principalmente pela sua materialidade (solo, pedra, palha,...) e localização (florestas, campos, desertos,...), pois camuflavam-se com o sítio, ou intencionalmente – por proteção ou não – simplesmente pelo condicionante matéria-prima e até pela forma que remete à caverna.
Há um elemento sempre presente nelas, nos locais em que o homem aprendeu a dominá-lo: o fogo.
A construção, utilizada basicamente como abrigo (pois no restante do tempo o homem perambulava à procura de comida), era um ambiente único, em que no centro se localizava a fogueira, que servia tanto para aquecer quanto para afugentar animais e também para cozinhar. Os abrigos artificiais geralmente contavam com uma abertura na cobertura que servia como chaminé, respiradouro e acesso. Quando muito, essas construções tinham apenas mais uma abertura, diferenciando o local de acesso.
Referência: Lucas, Claudinei, Habitação - Em: http://www.coladaweb.com/diversos/habitacao.htm

Um comentário:

márcia souza disse...

Olá Valdinéia! Amei seu blog. Postei ele em meu facebook, sou Relações Públicas de formação acadêmica, ingressei agora no ramo imobiliário, como Consultora Imobiliária (corretora). Seu blog é fonte de informação e agrega conhecimento, parabéns. Grande beijo! marielasouzacirp@outlook.com